8 de mar de 2010

Espelho Cego.

Se eu quiser te ver
Olhar dentro dos seus olhos
Olho em mim
Te vejo em mim
Cada pedaço, cada fio
Cada poro, cada osso
Não aguento mais...
Essa falta de nada
Do nada que você jamais significou pra mim
As horas passam, consigo dormir, prefiro dormir
A sem graciçe dos meus dias
A ausênsia da tua voz, do teu cheiro
São coisas que eu não quero mais perceber
E tudo isso é só teimosia minha
Insistência de criança que nunca pede nada
Que diz sim pra tudo
Que conhece a não reciprocidade
E mesmo assim não nega
Porque lá no fundo espera que alguém enxergue
Talvez o muro seja só uma porta aberta
Talvez a fortaleza seja só um convite pra entrar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário